A nova revolução do varejo já está aqui

Quem atua no setor varejista sabe que manter-se atualizado e em constante busca pelo aperfeiçoamento das relações com os consumidores é essencial para a manutenção e o crescimento de sua empresa. Estamos vivendo um momento em que os consumidores têm vasta gama de opções de compra ao alcance de seus dedos, em seus smartphones, e estão cada vez mais exigentes quanto às suas experiências com as marcas.

 

Para o consumidor 3.0, não importa mais se a empresa X oferece o produto Y pelo menor preço. Se a empresa X não proporciona a ele uma experiência de compra agradável e significativa, ele não hesitará em trocá-la por outra empresa que o faça – mesmo que esta não ofereça um preço tão competitivo quanto a anterior. A tendência atual para o varejo é o foco na experiência e na satisfação do cliente. Não basta mais apenas oferecer os produtos que seu público-alvo procura. É preciso compreender suas necessidades, seus desejos, suas dores e expectativas, e transformar esse conhecimento em estratégias para melhor atendê-lo.

Neste cenário, os chatbots surgem para dar início a nova revolução do varejo. Para aqueles que não estão familiarizados com o termo, chatbots – uma mistura de chat (conversa) com robots (robôs) – são programas de computador baseados em inteligência artificial que simulam o diálogo humano em um ambiente de chat online. Estes robôs são capazes de automatizar o atendimento das empresas, permitindo um contato mais natural e rápido com os consumidores.

 

A importância dos chatbots nessa nova era do varejo se dá pela simplificação que trazem às relações de consumo. Por serem integrados à aplicativos de mensagens instantâneas e aos sites das empresas, eles permitem que os consumidores tirem dúvidas, solucionem problemas, façam reclamações e, até mesmo, realizem compras em um único ambiente, sem esforço e com o mínimo de atrito possível. Isso porque os bots (em especial os que rodam através de Facebook Messenger, Skype ou Telegram) estão disponíveis em aplicativos de uso rotineiros do público, não exigindo que o usuário faça o download de aplicativo específico da empresa.

 

Mas para que os chatbots funcionem bem e proporcionem valor ao relacionamento com os clientes é preciso que o varejo esteja bem estruturado para esta operação, abraçando a tendência omnichannel, onde os diferentes canais de comunicação são integrados e as informações dos clientes circulam igualmente entre eles, fornecendo, assim, uma visão única de cada consumidor.

Mais do que mudar a operação de atendimento ao cliente inovando em tecnologia, as empresas precisam transformar sua estrutura corporativa, de modo que o foco de suas ações e estratégias seja o cliente e a entrega de uma experiência de consumo excelente.

 

O futuro das relações entre empresas e consumidores promete uma troca de experiências cada vez mais significativa e valorosa para ambos os lados e a revolução do varejo já está aqui, não na figura dos chatbots, mas na integração deles e dos demais canais de atendimento, atuando para o aperfeiçoamento dessas experiências.

 

A sua empresa está preparada para a revolução? Fale conosco e #DigaOlá para os chatbots.