Desmascarando mitos sobre IA e chatbots

Recentemente, muito tem se falado sobre inteligência artificial e chatbots como a principal tendência de inovação nos mais diversos setores. Desenvolvedores têm “vendido seu peixe” com uma mega tecnologia que irá revolucionar o modo como vivemos, trabalhamos e interagimos digitalmente. À primeira vista parece algo grandioso, e de fato não estamos tão longe desta concepção.

 

Assistentes virtuais como Siri (Apple) e Alexa (Amazon) têm facilitado a vida de seus usuários ao realizarem tarefas a partir de um simples comando de voz – como gerar listas, buscar informações na internet, tocar música, agendar alarmes e compromissos, pedir comida e informar sobre o tráfego ou a previsão do tempo. Chatbots de atendimento vêm tornando a interação entre pessoas e empresas muito mais acessível, rápida e fácil, fornecendo informações, solucionando dúvidas e resolvendo problemas a qualquer hora do dia e da noite.

 

Estudos realizados com empresários e gestores de negócios indicam que 72% destes enxergam a inteligência artificial como uma vantagem estratégica e acreditam que sua utilização será fundamental no futuro. E os chatbots seguem no mesmo caminho. Espera-se que até 2020, 80% das empresas adotem algum tipo de automação por chatbots.

 

Apesar dos chatbots estarem cada vez mais presentes em nossa realidade, ainda existem mitos acerca de sua utilização e funcionalidades. Abaixo, desmistificamos algumas das concepções que as pessoas têm sobre chatbots e IA.

 

 

Os robôs acabarão com os empregos dos humanos

 

 

Aparentemente esta é a maior ameaça que os robôs impõem sobre os humanos. As pessoas estão preocupadas quanto à segurança de seus vínculos empregatícios ser afetada pela integração de robôs em suas equipes. Isso é natural. Mas a verdade é que a utilização de tecnologias de inteligência artificial diminuirá a demanda de tarefas repetitivas – como agendamentos, redação de planilhas e burocracias com documentações.

 

Ao automatizar estes processos mais recorrentes, os robôs de IA garantem às equipes humanas tempo para se dedicarem àquelas questões que realmente necessitam de intervenção para serem revolvidas e à atividades estratégicas para a gestão dos negócios da empresa.

 

 

Os bots tornarão os aplicativos obsoletos

 

 

Há sempre uma preocupação de que novas tecnologias se sobreponham às tecnologias vigentes, com as quais todos já estão acostumados. Essa preocupação existiu com o surgimento da TV, do computador, dos celulares e assim por diante. Os bots e os aplicativos móveis continuarão existindo simultaneamente e dando conta de seus devidos propósitos.

 

No entanto, a indústria de aplicativos já está bastante saturada. Sendo assim, somente aqueles com as melhores performances e que focam em oferecer uma boa experiência ao consumidor sobreviverão. Além disso, os bots serão um meio de utilizar aplicativos. E não podemos esquecer que os chatbots ainda dependem de aplicativos de mensagens instantâneas para operar.

 

 

A inteligência artificial nos tornará burros!

 

 

Assim como há uma preocupação de que novas tecnologias tornem outras obsoletas, as pessoas também temem que estas novas ferramentas façam com que fiquemos menos inteligentes – ou menos esforçados. Pense só: por um acaso o ser humano ficou mais burro após a invenção da calculadora ou do computador? Embora muitos acreditem que sim, a verdade que é essas tecnologias apenas tornaram nossas vidas mais simples. E a inteligência artificial também o fará.

 

Com o desenvolvimento de técnicas como deep learning e processamento de linguagem natural (NLP, na sigla em inglês), é esperado que as máquinas passem a pensar por si próprias, responder nossas perguntas e realizar muitas de nossas tarefas. Embora elas se tornem tão – ou mais – inteligentes quanto nós, o pensamento e as emoções ainda são uma capacidade inata e exclusiva do ser humano.

 

 

Todos os chatbots usam IA

 

 

Ainda que os avanços tecnológicos nos levem a adotar cada vez mais técnicas de IA, nem todos bots as utilizam. Alguns chatbots utilizam processos autônomos simples, algo semelhante a uma árvore de decisão.

 

Existem, atualmente, três tipos principais de chatbots: baseados em script, orientados por interferência e orientados por dados. Os primeiros utilizam um roteiro de possíveis intenções para guiar a interação com o usuário. Os segundos são construídos utilizando NLP, deep learning e aprendizagem cognitiva para interagir e responder como um humano. Já os bots orientados por dados apresentam respostas/resultados a partir de padrões aprendidos em interações anteriores.

 

Entretanto, construir um chatbot inteiramente baseado em IA é uma tarefa bastante complexa e que demanda grandes quantidades de dados de diálogos humanos reais.

 

 

As máquinas começarão a aprender como os humanos

 

 

No futuro, é possível que os robôs não necessitem mais de seus desenvolvedores para programá-los para desempenhar novas funções. Eles poderão aprendê-las sozinhos. Isso poderá ser possível devido a redes neurais modeladas a partir do cérebro humano. Isto é, uma rede artificial criada a partir de nós de processamento densamente interconectados que permite que as máquinas aprendam a partir da observação.

 

No entanto, as máquinas ainda não conseguem processar informações de forma criativa ou responder instintivamente como fazemos. Esses traços são únicos do cérebro humano, que possui mais neurônios que todas as conexões de máquinas da Terra!

 

 

Bots são fáceis de construir

 

 

O mercado atual conta com diversas ferramentas e plataformas para a criação de bots. Entretanto, o planejamento daquilo que o bot fará e quais valores agregará à empresa são o diferencial que garante a qualidade do seu robô. Há uma imensidão de dados que os desenvolvedores precisam processar, estruturas e técnicas a serem utilizadas e informações que precisam ser convertidas em fluxogramas conversacionais.

 

De modo a diferenciar um bot de outro, é preciso conferir-lhe uma personalidade, um storytelling, agregar os valores da empresa e criatividade no desenvolvimento de seu design. Então, construir um bot requer bastante trabalho duro!

 

Chatbots e inteligência artificial já são tecnologias presentes em nosso dia-a-dia e configuram uma tendência em constante crescimento e desenvolvimento. Os mitos ao redor de novas tecnologias sempre existirão e cabe a nós, desenvolvedores e especialistas no assunto, desmascará-los e levar conhecimento ao público geral.