Falando sobre computação cognitiva

No próximo dia 18 de abril, a Ubots estará presente como apoiadora da trilha de Computação Cognitiva no evento The Developer’s Conference – Florianópolis. Além disso, nosso co-fundador Rafael Souza será um dos coordenadores da trilha. 

Convidamos você a conhecer um pouco do universo da Computação Cognitiva e qual sua relação com chatbots.

 

O que é Computação Cognitiva?

A computação cognitiva surge da intersecção de duas ciências: a ciência cognitiva – que se propõe a estudar o cérebro humano e seu funcionamento – e a ciência da computação. A computação cognitiva se apoia nos conceitos de inteligência artificial, machine e deep learning para iniciar uma nova era computacional. Nela, os sistemas passam a interagir de forma mais natural com os seres humanos através de processamento de linguagem natural, capacidade de aprendizagem e identificação de padrões, de maneira muito semelhante ao raciocínio humano.

 

A computação cognitiva é o pilar da 3ª era da computação, considerando que a 1ª era foi representada pelos sistemas de tabulação (1900) e a 2ª era pelos sistemas programáveis (1950). Uma era não vem para substituir a anterior, mas sim para enriquecê-la. Se os sistemas programáveis permitiram que criássemos dados através de processamento de números, a computação cognitiva nos permite compreendê-los.

 

E o que tem a ver com chatbots?

Simplesmente tudo! Chatbots são sistemas que utilizam computação cognitiva para simular o diálogo humano. Estes assistentes virtuais baseados em IA trabalham com intenções pré-programadas e são capazes de aprender a cada nova interação.

 

O avanço da computação cognitiva e o aperfeiçoamento das técnicas de machine learning ampliará a capacidade das máquinas de utilizar a linguagem para se comunicar com humanos da forma mais natural e coerente possível. E isso tornará o contato entre pessoas e empresas cada vez mais fácil, rápido e satisfatório.

 

Como ela pode ajudar as empresas?

Os chatbots representam apenas uma das diversas possibilidades de uso da computação cognitiva nas empresas. Essa tecnologia pode ser uma forte aliada na comunicação tanto com o público externo (clientes) quanto interno (funcionários e colaboradores).

 

No setor de saúde, por exemplo, a computação cognitiva é capaz de analisar informações médicas de um paciente dentre um vasto banco de dados e conhecimentos especializados para oferecer opções de tratamentos baseadas em evidências e resultados. Futuramente, também será capaz de obter e avaliar dados em tempo real obtidos através de dispositivos inteligentes e wearables. Tecnologia aliada à prevenção e detecção de doenças.

 

Já na indústria automotiva, a computação cognitiva vem sendo usada no processo de fabricação de veículos de modo a identificar questões de segurança e propor correções antes mesmo destas gerarem um custo à empresa. Ela também está presente em plataformas de conectividade que, dentre tantas funcionalidades, podem apresentar sugestões de trajetos, lembrar ao motorista de atividades ou lugares a serem visitados na volta para casa, informar sobre o posto de gasolina mais próximo no caso de uma possível falta de gasolina, ou fazer um pedido em um local preferido do usuário para ser retirado no caminho.

Todas essas funcionalidades são possíveis graças a algumas das características-chave da computação cognitiva, como a capacidade de compreender a linguagem natural humana – que vai além de textos, compreendendo também imagens e outros dados não estruturados -, a possibilidade de armazenar e processar um número enorme de informações e de compreender dados que antes eram inacessíveis ou incompreensíveis pela mente humana. A Inteligência Artificial também pode auxiliar os decisores das empresas a tomar melhores decisões e criar estratégias de longo prazo mais eficientes ao fornecer informações relevantes sobre seus clientes.

 

A computação cognitiva, impulsionada pelo desenvolvimento da IoT, Big Data e da computação em nuvem, ainda trará inúmeras tecnologias que facilitarão o dia-a-dia de pessoas e empresas. Se a sua empresa ainda não abraçou a computação cognitiva, fale conosco e leve inovação para o contato seus clientes através dos chatbots.